Entramos na ultima semana do mês de setembro, as arvores estão florindo em forma de boas vindas a uma nova estação. Pra mim, a mais bela de todas. Por onde passo, os ipês, em sua maioria na cor amarela, mostram a graciosidade pelas ruas de São Paulo.

Esse final de semana, lembrei-me de um assunto muito importante ao ver a cor amarela representada nas belas árvores floridas de ipês pelas ruas em que passei. Estamos no SETEMBRO AMARELO, um movimento importantíssimo que busca ajudar pessoas que estão passando por momentos difíceis e que planejam o fim como uma forma de solucionar as desventuras da vida. Dados da OMS – Organização Mundial de Saúde afirma que, nove em cada dez mortes por suicídio podem ser evitadas. É preciso falar sobre o assunto, acredite!

SUICÍDIO – essa palavra foi criada em meados do século XVI, por Desfontaines. Com origem no latim, tem por significado, vontade de buscar a sua própria morte para solucionar problemas relacionados ao sofrimento físico e emocional.

Talvez, o senso comum leve-nos a pensar que não existe meios de ajudar uma pessoa que tenha planos de encerrar sua vida. Mas não é assim não, existem varias maneiras de auxiliar alguém que está passando por isso. Antes de mais nada é preciso estar sensível aos sentimentos, perceber que não é frescura e não se trata de querer simplesmente “chamar atenção”. O comportamento é algo a ser delicadamente percebido. Isso sempre deve ser levada a sério. Se todos que estão a volta ignorar a situação, provavelmente se perderá uma vida. Fique atento aos sinais que estão co-relacionados ao suicídio:

Experiências traumáticas na infância, incluindo abuso e maus tratos de familiares; Estar sempre sozinho, de canto, sem a presença de amigos ou entes queridos; Humilhação/ Bulling na escola e também no âmbito familiar; Dívidas, desemprego e desesperança num futuro melhor; Transtornos de personalidade / Depressão e ansiedade; Sentimento de tristeza profunda e Abuso de drogas e álcool.

COMO AJUDAR?

Algumas vezes, a pessoa que passa por essa situação não se sente à vontade de falar sobre o assunto, por medo da reação dos outros, caso você venha a perceber algo assim, deixe claro que sempre estará disponível para conversar sobre qualquer coisa que a pessoa esteja vivendo e que estará por perto para ajudar. Sempre existe uma forma de tentar amenizar a dor de um semelhante. É preciso se fazer presente, oferecer ajuda para tentar solucionar o problema e encorajar a pessoa a caminhar de forma positiva e mais leve. Pode levar ao pensamento dela, lembranças boas, dizer de que existem pessoas a sua volta que a querem muito bem, que é muito amada e que todos estão dispostos a ajudar no que for necessário. Na maioria dos casos se faz necessário a ajuda profissional do campo da psicologia e/ou psiquiatria, que auxiliarão através das terapias e medicamentos que uma vez combinados, ajudam bastante na recuperação. É primordial o amor, o afeto, a compreensão, a empatia, o bate papo, conversas descontraídas, ombro amigo para chorar e desabafar sem julgamentos e muita compreensão. Tudo isso pode ajudar uma pessoa a sair de uma situação delicada e enxergar possibilidades mais positivas para enfrentar as desventuras da vida.

Caso você precise de ajuda ou conhece alguém que precise, o Centro de Valorização da Vida – CVV, realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, por e-mail e também por chat 24 horas por dias. CLIQUE AQUI e obtenha mais informações.

Sempre existe esperança, a vida é feita de altos e baixos e mesmo que nesse momento, as circunstâncias não pareçam favorecer uma melhora para sua vida, acredite, nenhuma desilusão, tristeza ou sofrimento dura para sempre. Busque ajuda! Seja forte e não pare de lutar por dias melhores, se você não tem mais forças, busque um ombro amigo, alguém para desabafar, abra o seu coração e viva cada momento acreditando que o melhor está por vir. A vida nem sempre é justa mas já que estamos aqui, vamos nos ajudar a caminhar com mais dignidade e alegria no coração. Seja simplesmente feliz e não se preocupe demais.

Lembre-se que o passado já foi, o futuro ainda não nos pertence mas o presente é nosso, ele ta aí e a nossa história quem escreve somos nós. Seja o autor da sua vida e capriche em cada página, escrevendo uma história repleta de muito amor, e se vier as desventuras, conte-as como foi superá-las, conte como esses momentos te deram força para lutar e prosseguir em busca do que a sua história merece. Não desista, tudo vai dar certo!!

Bjos, fuiii!

Sobre o Autor

Dan

Dan

Post Anterior

Sorria, sua saúde agradece!

Próximo Post

Solidariedade, como ensiná-la?

Sem Comentário

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *