Nós, brasileiras, somos uma mistura de muitas etnias. Temos um pouquinho de cada Continente em terras brasileiras! Somos africanas, europeias, asiáticas e americanas. É dessa diversidade que nasceu eu e você, uma beleza subjetiva, única no mundo.

Um estudo do IBGE afirma que aproximadamente metade  da população brasileira têm raízes africanas, então, entendemos que a cultura  trazida da África faz parte de todos nós e por esse motivo,  escolhi o tema:

TRANSIÇÃO CAPILAR

Transição Capilar é o processo que seu cabelo diz adeus às técnicas químicas que modificam a estrutura dos fios, até que eles cresçam de forma natural. É acima de tudo, uma forma de aceitação do seu cabelo natural.

Pra começar, é preciso coragem para liberar a tesoura do cabeleireiro e assumir  os fios curtinhos. Nem todo mundo esta preparada para isso.

O meu cabelo natural é cacheado, mas uso alguns tratamentos para deixá-lo lisinho, não que eu não goste dos meus cachos, é que para conseguir deixá-los bonitos e saudáveis, na sua forma natural,  dá muito trabalho. Muitas vezes pensei em fazer a transição para voltar ao fio natural, mas sabe quando a ideia não amadurece?

Como nunca passei pela transição capilar, comecei a pensar em alguém que pudesse me auxiliar com esse tema.

Tenho uma amiga de faculdade que além de super inteligente, é uma negra linda que viveu essa experiência na pele, quer dizer, no couro cabeludo! Rs.

Convidei-a para fazer um relato de como é o dia a dia da mulher negra e os cuidados que ela tem para deixar seu cabelo “Black Power” sempre saudável e bonito depois da TRANSIÇÃO.

Entra em cena…  a  Kátia Estevão. 

Kátia, como foi passar pela transição capilar e alcançar uma bela cabeleira?

A Kátia é uma pessoa autêntica, que enfrenta a vida com muita descontração e alegria.

Ela contou que quando decidiu fazer a transição capilar foi para assumir de vez a sua identidade. Mas não foi tarefa fácil, foi um processo de aceitação, pois os fios lisos davam a impressão de um determinado estereótipo para ser “aceita” na sociedade. Ela já não queria mais fazer os relaxamentos como de costume e relatou que foi uma experiência dolorosa e de muita paciência, mas também libertadora.

Com o passar do tempo percebeu que as mulheres estavam assumindo sua negritude e isso a motivou dia a dia. O resultado foi maravilhoso e a Katia esta muito feliz, ela afirma  que vale todo o esforço. Eu mesma lembro-me da transição da Kátia. Todas nós comentávamos  o quanto ela era habilidosa com os turbantes, que lhe serviram de assessório de beleza.

Veja a transição dela:

                           

Ainda pensando com meus botões sobre o assunto Transição Capilar, lembrei-me de um belo exemplo de Mamãe que eu precisava muito compartilhar.

Entra em cena, a história da Priscila e da Rebeca.

Sabe aquele clássico “FILHO DE PEIXE, PEIXINHO É”?

Ta aí um belo exemplo.

A Pri é uma pessoa  de personalidade muito forte , esta sempre colocando seu posicionamento em prática. Ela participou da 3ª edição da Marcha do Orgulho Crespo, na Avenida Paulista e falou sobre a transição capilar.  Clique  AQUI e veja o relato dela para o site da UOL.

“As pessoas me dizem: seu cabelo está na moda!. E eu respondo que não é moda, mas sim aceitação.” Priscila Lima

Bom, mas essa história da vida real não para por aí. Depois da transição capilar que a Priscila fez, a  sua filha Rebeca, decidiu que era hora de viver essa transição também.  Como eu, disse filha de peixe, peixinha é!! Rs

 Olha a TRANSIÇÃO CAPILAR de mãe e filha:

 

A minha conversa com a Priscila não para por aí, ela sempre se estende nos corredores da Unidade que trabalhamos.

É ela quem vai dar o ponto final para esse assunto aqui no blog.  A foto abaixo expressa o quanto ela atua e se posiciona como mulher negra e brasileira!  Bjooo, fuiiii!

Caso você tenha interesse, visite nosso site e confira as promos para todos os tipos de cabelos e também uma variedade de makes. CLIQUE AQUI e confira os melhores produtos com os melhores preços.

Sobre o Autor

Dan

Dan

Post Anterior

Pele saudável e bonita

Próximo Post

Anne with an E - Altruísmo e Empatia

Sem Comentário

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *